22.8.20

Crônica do Alvaro Abreu

Tempos bicudos


Para não falar de assuntos desagradáveis, grandes tragédias e temores crescentes, achei por bem escrever sobre Amora, minha querida arara Canindé, que ganhei de presente no meu aniversário de 70 anos de meus filhos, irmãos e amigos próximos. Disseram que era pra me fazer companhia e matar as saudades da Aurora, que tinha vindo pra nós ainda bem novinha lá em Brasília. Ela veio conosco pra Vitória se equilibrando na barra de alumínio, um poleiro improvisado, atrás da minha cadeira de motorista do nosso ônibus. Viveu conosco por uns sete anos, circulando livremente pela varanda, no quintal e sobre os muros. Fugiu e foi levada umas oito vezes e eu não consegui recuperá-la na última vez.

Amora foi comprada de um criador credenciado no Estado do Rio e chegou no aeroporto de Vitória totalmente estressada e agressiva, com uma anilha numerada na canela direita. Gastei uma manhã inteira para ganhar sua confiança, usando uma varinha de bambu para lhe oferecer água fresca e mamão maduro. Um treinador me disse que comida e carinho são elementos básicos para firmar amizade duradoura com os animais e me informou que as araras vivem setenta anos. 

O viveiro de bom tamanho que ganhamos permanece sempre aberto e está colocado diante da janela da cozinha para que Amora possa ficar, de cima de seu telhado, acompanhando a movimentação, sempre fazendo graça, se exibindo e pedindo comida.

Fiz um balanço de dois andares com paus de enxada, que ganhei de Manoel Araújo, antes que fechasse a sua utilíssima loja na Av. Leitão da Silva, e o pendurei com arame na viga da varanda. Amora adora ficar nele, sobretudo quando tem gente por lá. Para chamar a atenção ou se divertir, ela bate as asas com força suficiente para ganhar impulso e poder ficar balançando pra lá e pra cá, de cabeça pra baixo e peito aberto, dando gritinhos. 

Para que ela pudesse viver solta e perto da gente, inventei um super-poleiro móvel, montado sobre um pé de cadeira de escritório com cinco rodinhas, que permite levá-la pra todo lado, em especial ao lado da minha bancada, para ela poder ficar observando atentamente o que eu esteja fazendo. Ali, vou lhe dando lascas de bambu, que ela mastiga e estraçalha sem dó. Me impressiona o enorme poder de destruição de seu bico, com o qual consegue esticar arame, partir coquinho e arrancar prego. Nisso, as araras são como cachorros em crescimento, que roem pés de mesa, esburacam tapetes e destroem brinquedos, só pra coçar os dentes.

Ninguém previu que aquele presente, meio inusitado, seria tão útil na quarentena. Tanto, que vou precisar de mais uma crônica para contar as suas peripécias e a evolução da nossa amizade.

Vitória, 20 de agosto de 2020
Alvaro Abreu
Escrita para A GAZETA

Nenhum comentário:

AS POSTAGENS ANTERIORES ESTÃO NO ARQUIVO AÍ NO LADINHO >>>>>

.

Only select images that you have confirmed that you have the license to use.

Falaram do Varal:

"...o Varal de Ideias é uma referência de como um blog deve ser ." Agnnes

(Caminhos e Atalhos, no mundo dos blogs)

..."parabéns pelo teu exemplo de como realmente se faz um blog...ou melhor tantos e sempre outstandings...".
(Vi Leardi )

Leiam também:

Leiam também:
Click na imagem para conhecer

varal no twitter

Não vá perder sua hora....

Blog não é tudo, tudo é a falta do blog ....
( Peri S.C. adaptando uma frase do Millôr )
" BLOG É A MAIOR DAS VERTIGENS DA SUBJETIVIDADE " - Maria Elisa Guimarães, MEG ( Sub-rosa )