10.3.18

Crônica diária

Os jardins das casas dos meus avós

Tanto os paternos como os avós maternos moravam 200 metros uns dos outros. O paterno na esquina da Avenida Brigadeiro Luiz Antônio com a Rua dos Ingleses, e o materno na primeira quadra da Rua Treze de Maio, esquina da Brigadeiro. Minha mãe era colega de colégio das irmãs do meu pai. Daí se conheceram, namoraram e se casaram. Ambas as casas tinham jardins. Minha memória inicia na casa dos avós maternos onde moravam meu tio Totó, irmão da minha mãe, casado com minha tia Sylvia e mãe do Fernando e da Anna Sylvia (prima e leitora fiel). Minha avó, e madrinha, já era viúva. A casa tinha entrada lateral para automóveis, mas não tenho lembrança de ter visto nenhum. No fundo a garagem, lavanderia, e quarto de empregado. Embaixo da escada desse quarto um balanço de dois lugares. Jabuticabeiras e o viveiro do meu avô Delfino. Trocar água e repor alpiste e couve, colhidas ao lado, eram rotinas diárias. O Fernando por ser mais velho era nosso ídolo. Criava uma tartaruguinha no quarto, e tirava veneno das taturanas das jabuticabeiras com uma seringa para injetar nos passarinhos. O Paulo, meu irmão, e eu prendíamos carta de baralho nos aros da bicicleta para imitar o barulho de motos. Moramos uns dias na casa da vovó Nina quando nossos pais foram de navio para os Estados Unidos. Provavelmente um mês. Dessa época não tenho memória do jardim da casa dos outros avós. Mas lembro do litro de leite e do pão entregues de manhã. Lembro ainda do sapateiro que ficava logo na esquina. Naquele tempo se trocava meia sola dos sapatos. 

Um comentário:

João Menéres disse...

Meus avós paternos viviam num palacete juntinho ao Rio Leça ( que foi expropriado para a construção do porto de Leixões ) e do qual herdei uma fotografia.
Meus avós maternos viviam noutro palacete. Mas este em Matosinhos, na outra margem ( a direita ) do Rio Leça.
Retenho na memória o gigantesco catavento que havia no imenso jardim.
Esta era a Casa de Santo Amaro, também expropriada para ser feito o Mercado de Matosinhos, já nos tempos de criança.
Nunca me passou pela cabeça perguntar aos meus pais como se conheceram e como começaram a namorar.
E agora não podem já responder...

AS POSTAGENS ANTERIORES ESTÃO NO ARQUIVO AÍ NO LADINHO >>>>>

.

Only select images that you have confirmed that you have the license to use.

Falaram do Varal:

"...o Varal de Ideias é uma referência de como um blog deve ser ." Agnnes

(Caminhos e Atalhos, no mundo dos blogs)

..."parabéns pelo teu exemplo de como realmente se faz um blog...ou melhor tantos e sempre outstandings...".
(Vi Leardi )

Leiam também:

Leiam também:
Click na imagem para conhecer

varal no twitter

Não vá perder sua hora....

Blog não é tudo, tudo é a falta do blog ....
( Peri S.C. adaptando uma frase do Millôr )
" BLOG É A MAIOR DAS VERTIGENS DA SUBJETIVIDADE " - Maria Elisa Guimarães, MEG ( Sub-rosa )