25.3.17

Crônica diária


Comparando coisas diferentes

Em junho de 2015, portanto há um ano e nove meses escrevi sobre o que tinha lido do Herzog de Saul Bellow. Fui, percebo hoje, muito influenciado pela reputação e informações sobre o livro e o autor. Parei, naquela época na metade do livro. Só retomei a leitura este mês de março de 2017. Alguma razão, diferente do que escrevi em 2015 deve ter me afastado da difícil leitura. Acabo de ler, e não sou crítico literário, só um leitor assíduo, o romance Caçando Carneiros do Haruki Murakami, livro que o projetou internacionalmente. Dele se pode extrair algumas observações: os dois personagens principais não tem sequer nome. O livro todo conta com mais três ou quatro personagens. Um J, um Rato, Um homem Carneiro, e outro de terno preto.  Em seguida voltei ao Herzog numa derradeira tentativa de terminar a leitura. Não consegui acabar. São tantos os nomes e são tantos os personagens citados que a história fica enfadonha. São tantas as palavras que carecem de asterisco, e nota de rodapé, que cansam o leitor. Treze páginas de apresentação do autor, e de sua festejada obra, assinada pelo não menos famoso Philip Roth, valem pelo livro. Dirão alguns de vocês: "Mas não pode comparar um Premio Nobel de Literatura com um escritor japonês de relativo sucesso". Respondo que leio só por prazer. E o Haruki me da, e sempre deu, muitas horas de pura satisfação e alegria. Para que sofrer? Ler o Herzog do Bellow é uma cansativo exercício de memória, atenção, reflexão, que retira qualquer ideia de prazer. Poderão dizer que estou comparando Shakespeare com Paulo Coelho. Retruco dizendo que não chego a tanto, mas que considero Shakespeare uma leitura para determinados dias e poucas horas, e Paulo Coelho jamais, em tempo algum. Não sei se me entendem. E entre os elogios que fiz em 2015 na resenha ufanista que produzi do Herzog, fico com esta minha impressão desfavorável deste mês. Ou devo ter emburrecido nesses vinte e um meses.

Nenhum comentário:

AS POSTAGENS ANTERIORES ESTÃO NO ARQUIVO AÍ NO LADINHO >>>>>

.

Only select images that you have confirmed that you have the license to use.

Falaram do Varal:

"...o Varal de Ideias é uma referência de como um blog deve ser ." Agnnes

(Caminhos e Atalhos, no mundo dos blogs)

..."parabéns pelo teu exemplo de como realmente se faz um blog...ou melhor tantos e sempre outstandings...".
(Vi Leardi )

Leiam também:

Leiam também:
Click na imagem para conhecer

varal no twitter

Não vá perder sua hora....

Blog não é tudo, tudo é a falta do blog ....
( Peri S.C. adaptando uma frase do Millôr )
" BLOG É A MAIOR DAS VERTIGENS DA SUBJETIVIDADE " - Maria Elisa Guimarães, MEG ( Sub-rosa )