13.2.16

Crônica diária

Arquitetura e o gosto popular

O arquiteto Gregori Ilitch Warchavchik,  nascido em 1896 na Ucrania, e que aos 27 anos desembarcou no Brasil,  publica em 1925 no Correio da Manhã, do Rio de Janeiro, o artigo " Acerca da arquitetura moderna", considerado o primeiro registro da arquitetura moderna no Brasil." Nesse artigo Warchavchik desenvolve ideias derivadas das do suíço Le Corbusier, um dos papas internacionais do modernismo, começando a desenvolver o conceito da "máquina de morar". O princípio se baseava na economia e comodidade. A beleza viria das formas e linhas impostas pelo próprio método construtivo, como concreto armado e aparente, e nunca por uma fachada postiça, imitação de algum velho estilo. Em 1928 constrói para sua moradia na rua Santa Cruz a primeira casa modernista do Brasil. O maior espanto. Tanto quanto os quadros de Anita Malfatti ou os poemas da "Paulicéia desvairada". Com o apoio dos modernistas da época consegue uma segunda obra no Pacaembú, na rua Itápolis em terreno cedido pela Companhia City. A casa terminada em 1930 foi aberta à visitação pública numa exposição que servia de duplo propósito, para a City, a promoção do novo bairro, e para Warchavchik, um manifesto vivo de suas teorias. Em dois meses foi visitada por 20 mil pessoas. Apesar de grande afluência popular  os críticos "lamentavam que a prefeitura tenha permitido a construção dessas casas grotescas". Diziam ainda que eram "as tais máquinas de habitar feias, sensaboronas, atarracadas e banais, que permanentemente afligirão os nossos olhos". Passados oitenta e oito anos as casas modernas continuam não agradando a vasta maioria da população brasileira. Como é difícil a modernização. Como é complicado avançar no gosto, no olhar, e nos conceitos. Educa-los culturalmente. O mercado brasileiro ainda valoriza as velharias de copias furiosas da arquitetura demonstrativa, como dizia Oswald de Andrade. Arquitetura colonial, clássica, neo clássica, mediterrânea,  e "Lindenberg´s da vida" continuam mais procurados e valorizados que os projetos, e conceitos "modernos", com 88 anos de existência.

2 comentários:

José Luiz disse...

Com a ressalva de que arquitetos modernistas valorizaram muito especialmente um recurso decorativo herdado da arquitetura colonial: a azulejaria.

Jorge Pinheiro disse...

Eu moro num bairro modernista e corbusiano. Mas aqui o conceito desenvolvido foi o da "cidade jardim" (conceito originalmente de Ebenezer Howard). As zonas verdes têm uma importância tão grande como as edificações.

AS POSTAGENS ANTERIORES ESTÃO NO ARQUIVO AÍ NO LADINHO >>>>>

.

Only select images that you have confirmed that you have the license to use.

Falaram do Varal:

"...o Varal de Ideias é uma referência de como um blog deve ser ." Agnnes

(Caminhos e Atalhos, no mundo dos blogs)

..."parabéns pelo teu exemplo de como realmente se faz um blog...ou melhor tantos e sempre outstandings...".
(Vi Leardi )

Leiam também:

Leiam também:
Click na imagem para conhecer

varal no twitter

Não vá perder sua hora....

Blog não é tudo, tudo é a falta do blog ....
( Peri S.C. adaptando uma frase do Millôr )
" BLOG É A MAIOR DAS VERTIGENS DA SUBJETIVIDADE " - Maria Elisa Guimarães, MEG ( Sub-rosa )