10.2.16

Crônica diária




País constrangedor

Lendo um pouco sobre nossa história, e a estória verdadeira, não a contada nas escolas, ficamos profundamente constrangidos. Tanto o nível de seus atores, personagens, como os métodos, e procedimentos usados, nos deixa irremediavelmente constrangidos. Não poderia continuar sendo muito diferente. O nosso constrangimento tem DNA na história, na herança. Cada fato significativo,  e decisivo, de nossa história como nação, como país, como sociedade esta pautada num constrangimento original. Desde  o Império, com pixotadas como a nossa independência, feita ao lombo de burros, com fardas e trajes sujos e mal cheirosos, por um Imperador que minutos antes de proclamar a República, havia evacuado atrás de u´a moita de capim às margens do riacho Ipiranga, ao lado do casebre de um condutor de carro de boi. Da mesma forma que a tela de Benedito Calixto (1853-1927) retratou  com ares e cores europeias esse momento, a realidade era bem outra. Os constrangimentos continuaram sendo lugar comum durante a República até os dias de hoje. Ou, sobre tudo, durante os atuais momentos políticos econômicos. Dilma, ex-guerrilheira, falida como empresária num negócio de R$1,99, preside o país num segundo ano de um segundo mandato. Quais os méritos que a habilitaram a se candidatar? Foi Presidente do Conselho de Administração da Petrobras. Durante sua gestão a maior empresa brasileira cometeu, além da maior corrupção jamais vista no Brasil, as piores negociatas com empresas de petróleo e seu refino. Suas decisões levaram a maior empresa, a ser a "quebrada", tecnicamente, não fosse uma estatal. Constrangedor vê-la como candidata há mais quatro anos de mandato. Pior, maior constrangimento, é assistir 51% dos eleitores a elegerem novamente. Constrangidos ficamos ao assistir eleitores e cidadãos de bem defenderem seu mandato até 2018. Constrangedor é assistir as barganhas políticas que a Dilma faz com o PMDB do Renan Calheiros, a despeito de ter como seu maior inimigo o presidente da câmara dos deputados, Eduardo Cunha. Constrangedor é assistir a alegria como o executivo saúda as ações contra seu inimigo Eduardo, e lamenta as medidas judiciais contra o amigo Renan. Todos os três personagens estão constrangedoramente envolvidos nos mesmos escândalos. Uns mais, outros menos, mas todos absolutamente réus e culpados pelos crimes que cometeram. Aí entra o "impoluto" poder judiciário, que tem no STF, quase integralmente, juízes indicados pelo PT, colocando no banco dos réus, gente da quadrilha, do bando, de políticos, partidos, e de empresários que delapidam o Brasil há tantos anos. Mais constrangimento. Esses juízes fazem o jogo constrangedor. Colocam no banco dos réus seletivamente os parceiros desses crimes. Alguns vão para o calabouço, outros são perdoados por delatarem seus comparsas. Tudo muito constrangedor. Tudo como sempre foi. Constrangedor não poder propor um pouco de esperança e otimismo aos meus pacientes e indignados leitores.

3 comentários:

Li Ferreira Nhan disse...

Constrangedor são as demissões. Constrangedor são amigos e, pior, os parentes justificarem esse governo. Não, não é constrangedor, é desesperador.

João Menéres disse...

D. Pedro, antes de proclamar a independência do Brasil, necessitou de cagar.
Cagou tudo!

Jorge Pinheiro disse...

Um império à deriva.

AS POSTAGENS ANTERIORES ESTÃO NO ARQUIVO AÍ NO LADINHO >>>>>

.

Only select images that you have confirmed that you have the license to use.

Falaram do Varal:

"...o Varal de Ideias é uma referência de como um blog deve ser ." Agnnes

(Caminhos e Atalhos, no mundo dos blogs)

..."parabéns pelo teu exemplo de como realmente se faz um blog...ou melhor tantos e sempre outstandings...".
(Vi Leardi )

Leiam também:

Leiam também:
Click na imagem para conhecer

varal no twitter

Não vá perder sua hora....

Blog não é tudo, tudo é a falta do blog ....
( Peri S.C. adaptando uma frase do Millôr )
" BLOG É A MAIOR DAS VERTIGENS DA SUBJETIVIDADE " - Maria Elisa Guimarães, MEG ( Sub-rosa )