15.5.15

Crônica diária



Escrevendo no século XVIII

Para escrever eu preciso ouvir o silêncio. Depois vem a voz interior. As ideias se transformam em palavras e o texto vai tomando forma. Fazia tempo que não escrevia com bic azul em papel jornal.  O vento forte que passou por baixo de um arco-íris, não muito alto, mas largo o bastante para passar vento forte e muita chuva que vieram do mar. O vento cortou a energia. Fez se noite sem luz elétrica. Sem TV, sem computador, só o barulho forte das folhas, e galhos sacudidos pelo vento. Acendi velas e os velhos escritores do século XVIII escrevi sob luz amarela das chamas. A bic e a ponta dos meus dedos faziam sombra desenhando as palavras no papel. Nenhuma outra cena é mais antiga do que a dos ventos fortes, acompanhada de chuva intensa sob o breu da noite, sem luz elétrica. A chama da vela do século XXI se parece com a luz do candeeiro do século XVIII. As sombras, também. A bic era pena e o papel jornal era papiro. De resto tudo igual. A energia voltou e passei o texto para o computador. A esta hora já esta guardado nas nuvens.

Um comentário:

Jorge Pinheiro disse...

A nossa incapacidade de gerir os fenómenos geológicos ou climatéricos é a prova provada da nossa pequenez e de quanto tudo isto é efémero.

AS POSTAGENS ANTERIORES ESTÃO NO ARQUIVO AÍ NO LADINHO >>>>>

.

Only select images that you have confirmed that you have the license to use.

Falaram do Varal:

"...o Varal de Ideias é uma referência de como um blog deve ser ." Agnnes

(Caminhos e Atalhos, no mundo dos blogs)

..."parabéns pelo teu exemplo de como realmente se faz um blog...ou melhor tantos e sempre outstandings...".
(Vi Leardi )

Leiam também:

Leiam também:
Click na imagem para conhecer

varal no twitter

Não vá perder sua hora....

Blog não é tudo, tudo é a falta do blog ....
( Peri S.C. adaptando uma frase do Millôr )
" BLOG É A MAIOR DAS VERTIGENS DA SUBJETIVIDADE " - Maria Elisa Guimarães, MEG ( Sub-rosa )