13.1.15

Georges Wolinski

Homenagem ao cartunista morto em Paris
Uma das vítimas do atentado contra a revista Charlie Hebdo em Paris, o cartunista francês George Wolinski, de 80 anos, retratou a violência urbana e particularidades da vida no Rio de Janeiro em uma charge de 1993.
O desenho, no formato de uma longa tira, foi dado ao guia de turismo carioca Marcelo Armstrong, que criou o ‘Favela Tour’, um passeio que leva turistas a comunidades como a Rocinha, que fez parte do roteiro do cartunista. Ele era parte de um grupo de profissionais no País para a Bienal Internacional de Quadrinhos.

Leia também: França mobiliza 90 mil policiais em plano de segurança e busca de suspeitos
Policial morto em ataque era muçulmano. Imagens mostram momento da execução
‘A charge retratava impressões sobre sua estada no Rio de Janeiro, que tive o prazer de ajudá-lo a conhecer. Estava ali registrada sua critica à nossa persistente violência urbana. Ontem, a violência de um terrorismo covarde e insano, nunca imaginada naqueles (recentes) tempos de 1993, iria tirar-lhe a vida, na segura e civilizada Paris’, disse Marcelo Armstrong.

Cartunista foi obrigada a abrir porta para atiradores

No desenho, Wolinski fez observações sobre o poder do tráfico nos morros cariocas, referências a organizações criminosas e à cumplicidade da polícia no comércio da droga.
"Ele se impressionou com nossas discrepâncias", acrescentou Armstrong. Wolinski chamou as praias do Rio de ‘paraíso californiano’ com seus surfistas e adeptos da corrida.
Ele elogiou a beleza e alegria dos cariocas e, com a ilustração de mulheres de biquini, comentou o que chamou de ‘indecência pudica’ e ‘inocência sem perversão’ vista nas areias.
Wolinski foi assassinado na quinta-feira durante a ação de dois atiradores armados com Kalashnikovs na sede da revista satírica Charlie Hebdo, em Paris, junto com outras 11 pessoas.
Wolin, como era conhecido pelos amigos, era filho de judeus e nasceu na Tunísia. Seu pai foi assassinado em 1936, uma tragédia que, segundo ele, assombrou sua vida como um fantasma.
Ele se mudou para a França em 1940 para estudar Arquitetura, mas acabou se dedicando à atividade de cartunista.
Após receber a notícia da morte do pai, a filha de Wolinski, Elsa, escreveu nas mídias sociais: "Papai se foi. Wolinski não".
Sobre religiões, certa vez, Wolinski escreveu que o 'paraíso é cheio de idiotas que acreditam que ele existe'

2 comentários:

JG disse...

Lamentavelmente ainda não vi uma única voz de revolta pelo sacrifício, às mãos de bandidos, de uma menina de dez anos que fizeram explodir na Nigéria num ataque terrorista. Nem vi ainda alguém lamentar as mais de duas mil pessoas inocentes que nestes últimos dias têm morrido às mãos de terroristas na Nigéria. Sem querer minimizar o que aconteceu em França, parece-me que o terrorismo não é grave apenas em países do primeiro mundo. A França chora o que aconteceu e todo o mundo se solidariza. Eu também me solidarizo. Mas penso haver alguma indiferença das pessoas, para não lhe chamar hipocrisia, relativamente ao que se passa em países ditos de terceiro mundo. E isso dói, pelo menos a mim.

Jorge Pinheiro disse...

Uma perda irremediável. Ele já estava no Mio de 68 e inovou a BD. cobardes...

AS POSTAGENS ANTERIORES ESTÃO NO ARQUIVO AÍ NO LADINHO >>>>>

.

Only select images that you have confirmed that you have the license to use.

Falaram do Varal:

"...o Varal de Ideias é uma referência de como um blog deve ser ." Agnnes

(Caminhos e Atalhos, no mundo dos blogs)

..."parabéns pelo teu exemplo de como realmente se faz um blog...ou melhor tantos e sempre outstandings...".
(Vi Leardi )

Leiam também:

Leiam também:
Click na imagem para conhecer

varal no twitter

Não vá perder sua hora....

Blog não é tudo, tudo é a falta do blog ....
( Peri S.C. adaptando uma frase do Millôr )
" BLOG É A MAIOR DAS VERTIGENS DA SUBJETIVIDADE " - Maria Elisa Guimarães, MEG ( Sub-rosa )