30.4.13

Roberto Camasmie

 Vitrine de sua loja
 Retratos feitos na vitrine

Comentários que valem um post

Eduardo, fiquei muito feliz com sua visita ao Ler é minha praia. O blog, de fato, anda meio parado. Mas será reativado em breve. Graças, inclusive, ao incentivo que é conhecer alguém como você. Espero que possamos trocar muitas figurinhas ainda, virtual e pessoalmente. Afinal. temas em comum não nos faltam.

Andei lendo alguns dos posts publicados no último blog e outras blogagens (título/trocadilho genial). Me diverti muito com o comentário sobre a posse da Dilma e, mais adiante, do Obama. No geral, o que se vê um texto leve, com jeito de prosa entre amigos. Bem como é estar com você pessoalmente.

Da tua poesia já estou pinçando algumas pepitas que penso em publicar tanto no “Ler...“  quanto em outro endereço - também semimorto - onde publico minha própria produção.

Tempo, tempo, tempo.... tanto por quer e fazer. 2 vidas e talvez não fosse o suficiente.

Mas enfim, nisso talvez esteja a graça do viver.

Grande abraço e até a próxima.


Marcelo De Angelis
              41 9669 6445
                   3044 5945

Crônica diária

Caio F, por Paula Dip
Em fevereiro do ano passado a jornalista Paula Dip lançou a biografia de "Caio F.", em Floripa. Estava hospedada na casa da nossa amiga comum Maria Pessoa. Me informaram, na época, que eu havia ganho um exemplar com dedicatória. Por razões que não vem ao caso, o dito livro só me chegou as mãos em Abril de 2013. Acabo de ler. Uma delícia. Mostrou uma autora madura, sincera, corajosa e despojada. Retratou um escritor e pessoa humana admirável. Vou ler tudo que encontrar do biografado. Antes de sua morte, a última viagem que fez foi à Praia do Rosa. Li o livro ha poucos metros dessa praia, na Piacaba, onde moro. E para completar minha alegria de saber que a Paula é uma escritora maravilhosa, descobri um dos maiores autores da minha geração, de quem ainda nada li, e na página 432 do livro, descubro um interessantíssimo depoimento do meu amigo Mauro Castro, escritor e taxista do "Caio F." em Porto Alegre. Confessa ter sido influenciado pela literatura do seu ilustre passageiro. Como esse mundo literário é pequeno.

POEMÍNIMOS

AMADA

recatada
recostada
deitada
excitada
tarada
educada
perfumada
despudorada
descarada
arrumada
engraçada
nua
deitada
excitada

29.4.13

Reflexos

Lagoa de Ibiraquera, março 2013 E.P.L.

"Crise da estupidez desassistida"

O Grande Irmão ataca, por Merval Pereira

Merval Pereira, O Globo
Em questão de poucos dias, uma instrução normativa da Receita Federal e uma resolução do Conselho de Controle de Atividade Financeira (Coaf) confirmaram a tendência autoritária do governo federal. Uma violação da privacidade, na definição do tributarista Everardo Maciel, ex-secretário da Receita. Um Big Brother multiplicado por milhões, segundo o advogado tributarista Brasil do Pinhal Pereira Salomão, do escritório Brasil Salomão e Matthes Advocacia, que deu o alerta em seu site.
A resolução do Coaf determina que pessoas físicas ou jurídicas que vendam itens com preço maior que R$ 10 mil precisam, obrigatoriamente, fazer um cadastro de seus clientes, com nome, CPF ou CNPJ, documento de identidade e endereço completo, que deve ser mantido por cinco anos.
Se o cliente, no período de seis meses, fizer aquisições de serviços ou produtos em valor superior igual ou superior a R$ 30 mil, o vendedor ou prestador está obrigado a comunicar isso ao Coaf pelo site.
Já a instrução normativa da Receita Federal exige que quem gaste mais de US$ 20 mil por mês com serviços no exterior informe onde esses valores foram gastos, com notas fiscais.
A regra vale para hospedagem, transportes, alimentação ou mesmo saúde, em caso de pessoas física; e viagens, honorários advocatícios, treinamentos, licenciamento, direitos, software, prestação de serviços em geral no caso das jurídicas.
A declaração deve ser feita no site da Receita, no centro virtual de atendimento ao contribuinte (e-CAC) e ficará no Siscoserv (sistema criado no ano passado para monitorar compra e venda de serviços de pessoas físicas e jurídicas no exterior).
O advogado tributarista Brasil Salomão diz que a primeira regra, referente aos gastos de R$ 10 mil, já é extremamente gravosa para o empresário, mas não o transforma em “agente” do governo. No segundo caso, “serei obrigado a comunicar o Coaf, dando início a um expediente administrativo de verificação da vida do cliente. É terrível”.
Ele considera a medida “uma violação inconteste aos artigos 1º e 170 da Constituição, que enaltecem, como fundamento do Estado democrático de direito, a livre iniciativa”. Salomão está aconselhando a seus clientes que questionem essa nova regra na Justiça. A Ordem dos Advogados do Brasil já conseguiu isentar os advogados no exercício da profissão dessa obrigação.
Brasil Salomão vê ainda “uma violação ao sigilo de dados porque em toda operação empresarial (prestação de serviços ou venda de mercadorias) há um contrato entre pelo menos duas partes, ainda que verbal, e alguns dos seus dados estão protegidos pela Carta Constitucional”.
Já Everardo Maciel, ex-secretário da Receita, classifica as medidas como “tentativas de controlar a vida das pessoas” e compara com o que foi feito na Argentina, “coisa de país subdesenvolvido”.
Maciel cita o advogado Paulo José da Costa, autor do livro “O direito de estar só”, para falar da “violação da privacidade das pessoas” que essas medidas representam: “São contra nosso direito de estar só.”
Porque elas não correspondem ao dever fundamental de pagar impostos, nem a nenhuma obrigação fiscal, Maciel as considera “uma violência, bisbilhotice desnecessária”. Ele diz que o que estão fazendo na área tributária é inacreditável. “Lido com isso há 40 anos e nunca vi uma coisa tão desastrada como essa. Há uma sinfonia das loucuras, crise da estupidez desassistida.”
Há diferenças entre as duas novas regras. Enquanto o advogado Brasil Salomão alerta que “a nova e draconiana regra, se não atendida, poderá gerar multas pecuniárias de até R$ 200 mil, cassação de registro profissional e, para o comércio, vedação do exercício da atividade”, Everardo Maciel lembra que a instrução normativa da Receita Federal é inócua para as pessoas físicas, pois a Receita não tem autorização para multar os que se recusarem a colocar os dados no Siscoserv. A portaria prevê apenas multa para as pessoas jurídicas, de R$ 1.500 por mês.

Comentários que valem um post


Gaspar de Jesus deixou um novo comentário sobre a sua postagem "LEITORAS do novo livro da Piacaba Editora":

Eduardo. Não custa acreditar que, as sua potenciais leitoras, irão adorar ler seus livros, em momentos como este. Depois de os lerem, irão por certo, querer "entrevistar o Autor" descontraidamente, tal como aqui...eheheh
A Paulinha que me desculpe.
G.J.

Postado por Gaspar de Jesus no blog . em domingo, 28 de abril de 2013
*****************************************************************************

Crônica diária

Orifício Fiscal

Dia desses o meu amigo Jorge Pinheiro fez uma postagem no seu Expresso da Linha, que comemorou seis anos de vida, sobre as caixas de correio. Dizia ele que elas hoje em dia só servem para receber contas a pagar, impostos e publicidade. Ninguém mais escreve cartas. Acabaram as cartas de amor, de saudade. Acabaram os cartões postais de viagem, lembranças de familiares e amigos. Estão todos na internet. E para o orifício da caixa de correio sobraram só os impostos. Eles começam pelo orifício da caixa, e acabam perdidos no grande buraco negro que é a gestão desse nosso dinheiro. Mês de Abril, mês do Leão, mês de declarar o Imposto de Renda. Mês que engordamos com nosso suor, trabalho, e rendimentos, os cofres da união. A cada ano pagamos mais, e a Receita a cada ano arrecada mais. A carência de escolas, hospitais e transporte público, a cada ano é maior. A conta não fecha. O culpado é esse "orifício fiscal".

Posted by Eduardo P.L. no blog www.elunardelli.blogspot.com.br

FARE MONDI - Fotografias de Fernando Stickel



Exposição de fotos recentes de Fernando Stickel


Rua José Guerra, 130, 04719-030 São Paulo





  • FARE MONDI

    Nesta série inédita de 30 fotografias digitais (ou seriam colagens, pinturas?…) investigo a potencialização da relação entre imagens, justapondo duas ou mais para criar uma nova, cujo resultado pode sugerir a lembrança de um sonho, congelando um clima poético fugaz, ou ainda extrapolando o contraste dos componentes visuais iniciais.…

    O novo trabalho surgiu do título da Bienal de Veneza de 2009, "Fare Mondi", ou seja, fazer mundos - criar novos mundos, série que iniciei ainda em 2009, logo após visitar a Bienal.

    Matéria prima das montagens, as fotos são de locais tão diferentes como São Paulo e o Deserto do Atacama, transitam de Nova York a Bebedouro, de Veneza ao Rio de Janeiro, de Londres a Jundiaí... de Santos à Vila Olímpia.

    Na utilização do Photoshop para fazer as montagens incorporei áreas de cor, e também alguns acidentes de percurso, técnica aliás incentivada por meus professores da Escola Brasil: nos anos 70, o que acabou por conferir a certas imagens um caráter pictórico, em outras a utilização da ferramenta de edição é mínima, objetivando apenas a simples justaposição.

POEMÍNIMOS

Com as mulheres
da minha vida
(mulher, filha, sogra)
tenho servido de
anteparo
pois mulher
é como cristal
se trincam
não há reparo
mas sou vezeiro
em transportar ovos
sem cuidado
e chegam
quebrados
em gemada
ou omelete
pouco ovo
inteiro

28.4.13

LEITORAS do novo livro da Piacaba Editora

MANJAR BRANCO e UM NOVO CASO
Elas vão adorar
Imagem ilusrtrativa de autor desconhecido, enviada por José Luiz Fernandes

Comentários que valem um post

Maria de Fátima disse...
você não esmorece, homem!
você leva avante cada pedaço do que congemina!
culpa-me até de nada fazer que preste...
e se eu vendesse? - penso
se os tivesse aqui e os levasse no saco?!
"tome um que eu vendo ao preço do real que é mais barato..."
mas assim...distante
assim, sinto que nada faço...
aguardo por Junho a ver se lhe digo
face-a-face

sábado, 27 de abril de 2013
****************************************************************
 Como disse o Sr Alcides A viúva antecipada deixou um novo comentário sobre a sua postagem "GERSON DIET, o DESFILE e o DILEMA":

Quero informar com muita tristeza a todos e principalmente ao senhor Alcides (o da viúva antecipada) Que infelizmente por falta de tratamento na hora devida, meu marido faleceu aos 52 anos de câncer de bexiga. A doença evoluiu de uma forma assustadora que os tumores pulmonares podiam ser visto abaixo da pele de tão grandes. Isto é, a metástase pulmonar, porque a sua doença não começou lá. Imaginem o resto. Dr. Renato estou com o senhor em todos os sentidos. A única coisa que alivia a minha consciência é que lutei e fiz o possível para ajudá-lo a terminar seus dias de vida, dando amor e atenção. A sua vida foi interrompida por falta de tratamento convencional. E infelizmente agora eu sou uma viúva de verdade sofrendo toda a dor que deixou a sua ausência. Eu o amava demais e ainda o sinto vivo em meus pensamentos. Não deixem isto acontecer com os seu entes queridos.

Postado por Como disse o Sr Alcides A viúva antecipada no blog . em sábado, 27 de abril de 2013
**************************************************************************************

POEMÍNIMOS



Grandes mentes
não mentem
grandemente
eventualmente
omitem
a verdade

Crônica diária

O PERIGO DAS ESCADAS

Escadas são um perigo. Depois das armas brancas e as de fogo, o maior número de acidentes ficam com as escadas. Proporcionalmente matam menos, mas é preciso muito cuidado com elas. Há escadas por toda parte. E há escadas de todos os tipos e modelos. Uma coisa elas tem em comum: servem para subir e descer. Só as rolantes tem sentido único. Muita gente tem superstição e não passa por baixo de escadas. É sempre bom prevenir. Outros não sobem nem descem de escadas. Só usam elevadores. Mas usar uma escada sobre degraus de uma outra é perigo dobrado. Fotografei um funcionário do meu prédio limpando luminárias, com uma pequena escada sobre os degraus da escada de serviço do edifício. Se meu alerta não serviu para nada, resultou numa crônica e numa foto. Já ganhei o dia.


Foto E.P.L.

Posted by Eduardo P.L. no blog www.elunardelli.blogspot.com.br

27.4.13

BREVEMENTE a venda pela Internet

Abaixo duas imagens, uma de autor desconhecido, outra de Magritt que podem bem ilustrar duas leitoras dos próximos lançamentos da Piacaba Editora. Não deixem de ler.

MANJAR BRANCO e UM NOVO CASO
Eduardo P. Lunardelli
Rui Silvares
Milton Ribeiro
Maria de Fátima Santos
Jorge Pinheiro
UM CONTO POLICIAL EM TRÊS VERSÕES
Imperdível

Crônica diária

Alvo e ameaça

Mudei para Piacaba, em Santa Catarina no ano 2000, e a cada volta para São Paulo, estranho mais a cidade grande. Noto claramente a minha insegurança, e a insegurança dos doutros. Nas ruas acreditamos que seremos o próximo alvos de furto, assalto, e violência. E nossa pessoa é para o outro , um bandido em potencial. Essa relação de medo, e de ameaça funciona muito mal para nosso sistema nervoso. A irritação no trânsito, a falta de humor para com os pedestres, a falta de educação destes para com quem esta dirigindo, a soma de tudo gera uma desconfortável convivência na cidade. E cada dia pior. Onde vamos parar? Os muros e grades dos condomínios cada dia mais altos e agressivos, fortemente policiados, com seguranças vestidos de preto, com fones de ouvido, e guaritas com vidros fume, blindados, mais parecem agências bancárias. Não, são condomínios que prendem dentro de si pais preocupados, e crianças medrosas. Nos elevadores avisos, novos avisos, de novas normas de segurança. O pânico esta instalado. Ainda bem que volto logo para a Piacaba, onde ainda não tenho cercas, e durmo de portas e janelas abertas. Até quando, não sei, mas vou aproveitando.

Posted by Eduardo P.L. no blog www.elunardelli.blogspot.com.br

Cabeçalho rotativo


26.4.13

UM VARAL de OUTROS TEMPOS

Autor desconhecido

POEMÍNIMOS

Onanismo juvenil

na mão ele durava
duro
e eu batia
judiava
com as moças
já era rápido
e me frustrava
se fosse durão
como na mão
elas iriam me achar
o maior machão
a última coisa
que elas queriam
era ejaculação

Crônica diária

Eu preciso ligar para o Ricardo e perguntar se ele pode me devolver alguns livros da pilha de mais de meio metro que emprestei. Na verdade foi um escambo. Um determinado dia ele me aparece em casa com suas tradicionais camisas floridas, como quem chega de uma viagem ao Havaí, bermudas com meias amarelas e sapato social marrom. Mas nada disso espantava no Ricardo, não fosse uma enorme melancia sob os braços. Na saída levou igual peso, em livros.
No geral me sinto desprendido. Mas na verdade sou um conservador saudosista. Sinto falta de certos livros. Hoje fui a estante procurar dois romances do Robrerto Bolaño. Dois volumes grossos e fundamentais de sua obra. Não os encontrei. Provavelmente deveriam estar na pilha do Ricardo. Terá lido? Terá dado a importância que eu dei? Ficará sentido se eu os pedir de volta? A melancia comemos, e não tenho como devolver. Mas esses dois livros estão me fazendo falta. 
De dez em dez anos faço doação dos livros que estão ocupando espaço, tomando pó, e sem manuseio. Certa feita foi para uma biblioteca municipal. Muito tempo depois fiquei sabendo que os livros ( caixas e caixas ) estavam na casa da japonesa mulher do prefeito. A doação mais recente foi para a biblioteca da escola municipal de Imbituba. E essa prática cultivo desde moleque. Dei muito livro lido para minhas namoradas. Umas queriam ser escritoras e poetizas.  Nunca me arrependi. Nunca os quis de volta. Mas esses dois da pilha do Ricardo estão me fazendo falta. Vou ligar.
Posted by

Comentários que valem um post

Cassio Penteado Como é dificil escrever cronicas, não é primo Eduardo Penteado Lunardelli? Diariamente. Nenhum dos grandes cronistas brasileiros, que eu saiba, Rubem Braga, Paulo Mendes Campos (que é injustamente esquecido), escrevia todo o santo dia. Escrever todo o dia é, no fim, misturar coisas relevantes e irrelevantes, como a vida, talvez, né? Abraços.

Eduardo Penteado Lunardelli Cassio Penteado, meu primo Cassinho, o Rubem Braga, Luiz Martins ( que assinava LM, no Estadão) e outros grandes cronistas escreviam diáriamente. Eu era leitor assíduo. Sempre gostei muuito de crônica. Naquele tempo, lida nos Jornais diários e nos livros. Leitura rápida, digestiva, assuntos ligeiros, geralmente atuais, e me agradavam muito. Quando fui obrigado a deixar de pintar por determinação médica, e o fiz por cinquenta anos, foi a primeira coisa que me ocorreu: escrever crônicas. Os blogs já estavam me fazendo escrever algumas coisas, e daí para a crônica diária foi um pequeno passo. No blog Varal de Ideias faço postagens diárias desde o dia 19 de Novembro de 2006, sem falhar um único dia. E agora, na próxima semmana devo lançar um livro com dois contos policiais. Fica faltando a aventura do romance, sonho de todo escritor. Abçs e obrigado por ler e comentar.
No FB

Cabeçalho rotativo


25.4.13

Michael Carson:

Crônica diária

José Dirceu, você tem dúvidas?

O inimaginável pode acontecer. Depois de quatro meses do mais longo processo criminal do STF, conhecido como Mensalão, que apesar das milhares de páginas do processo, o ex-presidente Lula nega que tenha sequer existido, e o mentor e ministro da Casa Civil da Presidência da República, José Dirceu pode deixar de ir para a cadeia, como foi condenado. Isso mesmo. Alguém tem alguma dúvida de que ele era o chefe? Tá bom, o chefe era o Lula, mas o mentor e executor, todo poderoso à época era o Zé Dirceu. Disso ninguém duvida. O supremo julgou-o. Condenou-o. Agora por conta de firulas jurídicas, manobra nas indicações de novos juizes, o condenado José Dirceu pode acabar cumprindo pena em regime semi aberto. O inimaginável acontece. Isto é, só os tolos, crédulos e ingênuos podem acreditar na justiça brasileira. Podem crer que os poderosos, por mais criminosos que sejam, acabem na cadeia. Mais uma vez a regra não terá exceção. Se isso acontecer, Joaquim Barbosa, o relator do processo, hoje Presidente da Suprema Corte de Justiça do Brasil, perdeu seu tempo, iludiu o povo, e foi vencido pela injustiça brasileira: leis demais, regulamentos demais, constituição prolixa, detalhista, e cheia de brechas e fissuras, campo fértil para a procrastinação.

Posted by Eduardo P.L. no blog www.elunardelli.blogspot.com.br

Comentários que valem um post

Silvares deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Crônica diária":

E que dizer da União Europeia onde as políticas comuns aos estados membros estão dependentes das campanhas eleitorais dos políticos nos seus países de origem?
Assim, havendo eleições na Alemanha podemos contar com o cinto apertadinho cá nos países do Sul ou com ameaças a torto e a direito vindas da Inglaterra quando um qualquer Cameron quer mostrar músculo e espírito xenófobo.
Qual é o político, neste mundo ou no outro, capaz de colocar s interesses daqueles que o elegeram à frente do seu próprio interesse individual?
Nem Deus!

Postado por Silvares no blog . em quarta-feira, 24 de abril de 2013
***************************************************************************** 
Professora deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Crônica diária":

Concordo plenamente com seu ponto de vista, e, se eu fosse cronista escreveria com todas suas palavras sobre o que anda acontecendo no Brasil com o governo Dilma.
Tenho lido com interesse suas crônicas diárias com muito prazer.

Um abraço  

Postado por Professora no blog . em quarta-feira, 24 de abril de 2013
************************************************************************************* 

24.4.13

FOTÓGRAFO Ben Hassett

Crônica diária

Estava me preparando para escrever a minha crônica diária e na TV passava um programa de debate sobre o problema crônico ( sem trocadilho ) da inflação brasileira. Chegaram depois de muitas ponderações e considerações à conclusão de que o governo Dilma esta promovendo um "desarranjo" estrutural da economia brasileira. Para combaterem a inflação, que superou o teto da meta, estão adiando ajustes necessários e que levarão a consequencias danosas, já vividas num passado recente. Todo governante, ilhado em Brasília, pensa sempre no seu futuro mandato, ou em fazer seu sucessor. É o apego desesperado ao poder. Para atingir esse objetivo comete todo tipo de manobra que resulte em popularidade, ( leia-se voto ), mesmo às custas de inflação e alta de preços. As altas dos preços pressionam a popularidade, e os vilões passam a ser a oposição, imprensa e críticos do governo. Ser benevolente com as políticas fiscais, desprezo ao controle rígido da inflação, levam os governantes a uma escolha difícil: ou fazer o que tem que ser feito, ou perder o poder.
Posted by

Cabeçalho rotativo


23.4.13

Joshua Bronaugh

Crônica diária



Como agradar uma mulher muito mais nova

Tenho um amigo e colaborador que invariavelmente me manda muito material. Textos, imagens, anedotas, tudo que ele gosta, e acredita possa ser útil para meus blogs. Uso quase tudo. Tudo, é impossível, dada a quantidade. Lamento os descartes que sou obrigado a fazer. Recentemente me mandou a seguinte história que transcrevo com minhas palavras: um médico de cinquenta e seis anos acabou se casando, pela segunda vez, com uma menina de vinte e dois. Numa reunião com amigos e colegas num congresso, foi abordado por um deles, que perguntou qual era o segredo para cativar uma menina tão nova? Respondeu sem pestanejar: "É beijar no lugar certo". Diante de tal resposta o amigo ficou sem graça, e arrematou: "Mas pode especificar mais precisamente?" "Em Londres, Paris, NY....

Postado no www.elunardelli.blogspot.com.br

Comentários que valem um post


Wania Victoria mencionou você em um comentário.
Wania escreveu: "Eduardo Penteado Lunardelli, este sabe onde fica o Ponto G...eográfico!!!!! ;))))) Bjs de Porto Alegre! :)))))"

22.4.13

REBECCA REBOUCHÉ


The Reeling
The Unlikely Naturalist, Fall 2012
acrylic on raw canvas
12 feet x 60"Enviado por José Luiz Fernandes

Crônica diária

Crônica não é noticiário. Crônica não tem a obrigação de estar lado a lado com os fatos ocorridos. Crônica pode falar do passado, do futuro, e eventualmente do presente, mas de um presente impreciso. Não tem compromisso com as notícias do minuto. Fui cobrado em minha crônica PANELAS ASSASSINAS, que quando escrevi não tinham preso o segundo irmão, e quando foi publicada, ele já estava detido, ferido e no hospital, como se o meu texto estivesse defasado, ou mal informado. A minha tese, naquela crônica, era o temor de que os terroristas não fossem capturados com vida. E terroristas mortos não falam. E sem seus depoimentos fica muito mais complicado saber  a motivação do atentado. Cheguei a lembrar o caso de Lee Oswald, que ao ser preso e assassinado, deixou um quadro de dúvidas e incertezas sobre toda a conspiração que matou o Presidente Kennedy. Minha esperança é de que o irmão terrorista sobreviva, saia do hospital com vida, possa responder na justiça pelos crimes cometidos, e sobre tudo, revelar a verdade sobre o atentado da maratona de Boston. As panelas assassinas, por si só, dizem muito pouca coisa. Elas apenas reforçam a tese daqueles que acham que não adianta desarmar a população para resolver o problema da criminalidade. As panelas matam também. Matam a fome, e servem de arma.
Posted by

Leitora dos contos POLICIAIS - "Manjar Branco" e "Um novo caso"

Foto ilustrativa de autor desconhecido. Aqui tudo é mistério !!!
update
sonia a. mascaro deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Leitora dos contos POLICIAIS - "Manjar Branco" e "...":
 Desvendando o mistério do "autor desconhecido"...
Ele é .... Martín Sichetti.  
Postado por sonia a. mascaro no blog . em segunda-feira, 22 de abril de 2013

AS POSTAGENS ANTERIORES ESTÃO NO ARQUIVO AÍ NO LADINHO >>>>>

.

Only select images that you have confirmed that you have the license to use.

Falaram do Varal:

"...o Varal de Ideias é uma referência de como um blog deve ser ." Agnnes

(Caminhos e Atalhos, no mundo dos blogs)

..."parabéns pelo teu exemplo de como realmente se faz um blog...ou melhor tantos e sempre outstandings...".
(Vi Leardi )

Leiam também:

Leiam também:
Click na imagem para conhecer

varal no twitter

Não vá perder sua hora....

Blog não é tudo, tudo é a falta do blog ....
( Peri S.C. adaptando uma frase do Millôr )
" BLOG É A MAIOR DAS VERTIGENS DA SUBJETIVIDADE " - Maria Elisa Guimarães, MEG ( Sub-rosa )