21.5.07

ANITA CATARINA MALFATTI 1889 - 1964

Auto Retrato de Anita Malfatti
Foto : 1889 - 1964
CAIPIRINHA - 80X60 cm - Óleo sobre tela -s/d
FAZENDINHA - 40X50 cm - Óleo sobre tela -s/d PAISAGEM - 16X20 cm - Óleo sobre tela - Século XX - década 10
Paisagem do Rio de Janeiro com o corcovado ao fundo - 73X50 cm - Óleo sobre Eucatex -década de 40 Século XX
PAISAGEM - Acesso ao Monte serrat - Santos -SP - 65X54 cm Óleo sobre tela - s/d

Dados Biograficos AQUI

Anita: solidão e esquecimento

Pergunte a um estudante o que ele sabe a respeito de Anita Malfati. Provavelmente, a resposta não irá além da Exposição de 1917 e do entrevero causado pelo artigo de Monteiro Lobato, publicado no jornal «O Estado de São Paulo».
O curioso é que o mesmo se passa entre pessoas que, por participarem mídia ou da cultura, teriam, por dever profissional, de estarem melhor ligadas ao assunto.
Anita nasceu em 2 de dezembro de 1889 e faleceu em 6 de novembro de 1964, portanto, com 75 anos incompletos. Ao dar a notícia de seu falecimento, alguns jornais mais apressados publicaram que a pintora morreu «aos 68 anos de idade».
Em 1996, o Centro Cultural do Banco do Brasil, no Rio de Janeiro, comemorou o centenário do nascimento da pintora. Valeu a lembrança, só que o centenário já acontecera em 1989, mais de seis anos antes.
Em 1974, o secretário de Cultura de São Paulo, pessoalmente, mandou um telegrama a Anita, convidando-a a estar presente a uma exposição em que ela seria homenageada. Anita não pode comparecer: já havia morrido há dez anos.
Dois fatores contribuíram para que alguns desses deslizes ocorressem. Um, foi o exílio voluntário a que se submeteu a pintora, quando, em companhia de sua irmã, foi morar numa humilde e distante chácara em Diadema, que, naquela época, não passava de uma pequena vila, com meia dúzia de casas, ligada ao município de São Bernardo do Campo por estrada rural. Era um sumidouro, desligado do mundo. Afastada da mídia, deixou de ser notícia, tornando-se apenas uma imagem desvanecida.
Outro, foi um trato mantido entre Anita e Tarsila, que consistia em, uma e outra, esconderem a idade, descontando 6 anos das respectivas certidões de nascimento.
Mas o maior problema está em que o país é retardatário na divulgação de seus valores por todas as camadas sociais, espalhando cultura junto com a educação.
Não é pedir muito, que a cultura seja universalizada, atingindo todos os rincões do país. A cultura geral, com a arte nela incluída, é o retrato de um povo, o seu diferencial, a sua identidade. Enquanto não for devidamente tratada, teremos um povo sem face, desconhecedor de si próprio, dos valores que fazem a amálgama entre os vários segmentos da sociedade, e que a torna um bloco uno e indivisível.
(Texto de Paulo Victorino).

Este post é dedicado ao amigo RUBEN do blog SÍTIO DO RUVASA2 que vem postando homenagens a pintores e artistas brasileiros.
Up Date-
O que é extraordinário na internet , é a possibilidade de 11 meses após esta postagem, recebermos este comentário, que enriquece nossa matéria e desde logo agradecemos.
Stella de Mendonça disse...

"Boa noite,
Vi os comentários e me interessei em postar. Sou sobrinha da Betty Malfatti e restauro a obra de Anita a mais de vinte cinco anos, estou ajudando a Betty com pesquisas em seu livro sobre a vida familiar e a biografia de Anita, vista por outro aspecto o da própria artista e seus manuscritos deixados. De fato sua pintura se tornou singela! No meio em que Anita vivia no Brasil o expressionismo era inconcebível, uma recriação da realidade ou arte intelectual era quase uma agressão. Anita viveu de sua arte e teve uma saída brilhante á simplificação do expressionismo, tanto na forma gestual como na cor e o principal, pintar a pureza dos sentimentos caipiras, onde todos se comovem e entendem.Anita em 1921, desesperada por conseguir a bolsa do Pensionato Artístico de São Paulo, que na cláusula exigida para o aluno ser contemplado, deveria ser paulista e ter entre doze e vinte cinco anos, subtrai de seus documentos sete anos para 1896, e envia documentos com benévolo acolhimento para Washington Luís, Presidente do Estado aparentado da família Malfatti. Porém o grande contemplado em 1921 fora Brecheret merecidamente.Independente desta peraltice Anita só foi contemplada em 1923, transgredindo as regras do Pensionato Artístico, pois mesmo com os documentos alterados estava com 27 anos. Do mesmo jeito Brecheret, não era paulista, era italiano de Farnese, Viterbo. Os dois grandes Modernistas rompiam com os preconceitos e venciam!"
22 de Abril de 2008

20 comentários:

valter ferraz disse...

Eduardo, as telas me sugerem uma pintura inocente. Bonita, sem grandes rebuscamentos.
Também desconhecia os dados biográficos. Por quê o acordo de diminuirem a idade?
Abraço

Maria Augusta disse...

Que bom que existem pessoas que divulgam as obras e a vida destes artistas brasileiros, valorizando assim nossa cultura. Parece que Anita Malfatti teve uma existência bastante torturada, mas sua obra é singela e despretensiosa.

Eduardo P.L. disse...

Valter, vaidade feminina! E brincadeira das duas!Depois de uma "certa" idade, seis anos fazem diferença!

Eduardo P.L. disse...

Maria Augusta, é verdade, singela é a palavra para a obra de Anita!

Ruvasa disse...

Viva, Eduardo!

Tenho andado um pouco por fora, com outros trabalhos, mas ainda cheguei a tempo...

Obrigado pela referência.

Anita Malfatti foi uma pintora com obras muito características, pelo que vejo.

Desconhecia a sua existência. É mais uma que passo a conhecer melhor.

Abraço daqueles tais... transatlânticos

Ruben

Eduardo P.L. disse...

Ruben, esquecida por estas bandas também!
Boa semana!

Lord Broken Pottery disse...

Eduardo,
Adoro a Anita Malfatti. Meu pai, certa vez, gastou uns cobres para comprar uma tela dela que está na casa de minha mãe. Sempre que vou lá fico olhando. É um nu ingênuo, bonito, grande artista!
Grande abraço

james disse...

Muito interessante!
Um abraço.

Eduardo P.L. disse...

Lord, fique à vontade, se quiser tire uma foto da tela, que postaremos aqui. Talvez seja um quadro desconhecido do público. Mostra-lo valoriza a obra e faz uma homenagem ao autor e ao proprietário. Sei que não liga para isso, mas para a obra é importante aparecer!

Eduardo P.L. disse...

James, obrigado pela visita e comentário, amigo!

anna disse...

é o fim da picada o descaso com a biografia de uma artista tão importante, de uma época tão fértil das artes, nénão?

Eduardo P.L. disse...

Anna, eu acho! Completamente esquecida. Quem não chora, neste Brasil das artes, não mama!

Meg disse...

Que bom recuperar a importância de Anita.

Ela era um exemplo de intelectual e artista plástica.

Na minha humilde opinião, ela foi um pouco obscurecida pelo imenso vigor de Tarsila e Oswald de Andrade.
beijos, querido
M.
Mario de Andrade lhe faria justiça

Eduardo P.L. disse...

Meg, querida, acho que você tem TODA razão. O temperamento das duas influênciou no resultado pratico de suas obras! E o Oaswald de Andrade certamente tem parte nisso.

Beijos

Stella Maria disse...

Boa noite,
Vi os comentários e me interessei em postar. Sou sobrinha da Betty Malfatti e restauro a obra de Anita a mais de vinte cinco anos, estou ajudando a Betty com pesquisas em seu livro sobre a vida familiar e a biografia de Anita, vista por outro aspecto o da própria artista e seus manuscritos deixados. De fato sua pintura se tornou singela! No meio em que Anita vivia no Brasil o expressionismo era inconcebível, uma recriação da realidade ou arte intelectual era quase uma agressão. Anita viveu de sua arte e teve uma saída brilhante á simplificação do expressionismo, tanto na forma gestual como na cor e o principal, pintar a pureza dos sentimentos caipiras, onde todos se comovem e entendem.
Anita em 1921, desesperada por conseguir a bolsa do Pensionato Artístico de São Paulo, que na cláusula exigida para o aluno ser contemplado, deveria ser paulista e ter entre doze e vinte cinco anos, subtrai de seus documentos sete anos para 1896, e envia documentos com benévolo acolhimento para Washington Luís, Presidente do Estado aparentado da família Malfatti. Porém o grande contemplado em 1921 fora Brecheret merecidamente.
Independente desta peraltice Anita só foi contemplada em 1923, transgredindo as regras do Pensionato Artístico, pois mesmo com os documentos alterados estava com 27 anos. Do mesmo jeito Brecheret, não era paulista, era italiano de Farnese, Viterbo. Os dois grandes Modernistas rompiam com os preconceitos e venciam!

Stella de Mendonça disse...

Boa noite,
Vi os comentários e me interessei em postar. Sou sobrinha da Betty Malfatti e restauro a obra de Anita a mais de vinte cinco anos, estou ajudando a Betty com pesquisas em seu livro sobre a vida familiar e a biografia de Anita, vista por outro aspecto o da própria artista e seus manuscritos deixados. De fato sua pintura se tornou singela! No meio em que Anita vivia no Brasil o expressionismo era inconcebível, uma recriação da realidade ou arte intelectual era quase uma agressão. Anita viveu de sua arte e teve uma saída brilhante á simplificação do expressionismo, tanto na forma gestual como na cor e o principal, pintar a pureza dos sentimentos caipiras, onde todos se comovem e entendem.
Anita em 1921, desesperada por conseguir a bolsa do Pensionato Artístico de São Paulo, que na cláusula exigida para o aluno ser contemplado, deveria ser paulista e ter entre doze e vinte cinco anos, subtrai de seus documentos sete anos para 1896, e envia documentos com benévolo acolhimento para Washington Luís, Presidente do Estado aparentado da família Malfatti. Porém o grande contemplado em 1921 fora Brecheret merecidamente.
Independente desta peraltice Anita só foi contemplada em 1923, transgredindo as regras do Pensionato Artístico, pois mesmo com os documentos alterados estava com 27 anos. Do mesmo jeito Brecheret, não era paulista, era italiano de Farnese, Viterbo. Os dois grandes Modernistas rompiam com os preconceitos e venciam!

raquel disse...

muito bom pelo menos alguem lembra de quem era anita malfatti!!!!

Renata disse...

Boa noite, sou professora do ensino fundamental (escola pública) na cidade de São Bernardo do Campo - SP, desde o primeiro semestre deste ano venho trabalhando a semana de arte moderna de 1922, especialmente sobre Anita Malfatti. O trabalho tem por objetivo uma exposição no dia 18/10/2008, na mostra cultural da escola.
Para alcançar tal objetivo encontrei muitas dificuldades, pois se ouve muito sobre Tarsila do Amaral, mas sobre Anita, essa grande e guerreira mulher, não.
Fui em diversos lugares, fiz diversos contatos para encontrar informações e obras expostas dela.
Realmente é impressionante como Anita passa despercebida, justo Ela que enfrentou tantos desafios e críticas!!
Tenho uma aluna que se parece muito com Anita, então a utilizei para interpretar, no teatro da escola, a Anita Malfatti. Essa minha aluna disse que sente o peso de representar uma grande mulher!
Preciso obter fotos da Anita, pois tenho apenas 2 para colocar no jornal que será apresentado na escola. Tem sido muito difícil encontrar mais fotos!
Quero relatar também que a Secretaria de Educação e Cultura da nossa prefeitura tem exposições no ateliê de artes, que por sinal está expondo há 3 anos a trajetória e a vida de Volpi. Gostaria muito de parcerias para conseguir que a próxima exposição fosse sobre a Anita. Os trabalhos desenvolvidos pelo ateliê de artes são belíssimos!
Termino fazendo um convite para Sttela de Mendonça e a todos que se interessarem, para participar da nossa mostra cultural!!
Meu contato é: atanerleo@uol.com.br.
Grata Renata

Anônimo disse...

Oi sei que talvez não acreditem mais eu sou parente da Anita Malfatti queria que soubessem mais da Anita seria importante é mais ninguem sabe quase todo mundo sabe da pintora Tarsila do Amaral mais da Anita é muito raro alguem saber eu queria ter tido a oportunidade de conhecela mais naum tive
Obrigado por publicar sobre ela...tchau

stella de mENDONÇA disse...

Boa noite,

Infelizmente faz tempo que não entro neste blog.
Lamento por isso e por não responder a tempo a professora Renata.
Mas gostaria de corrigir possíveis interpretações erradas sobre meu parentesco com Anita Malfatti. Sou sobrinha contraparente da Betty Malfatti ela sim é sobrinha direta de Anita.
De resto restauro e estudo profundamente sua obra e vida, aprendendo a cada dia sobre esta mulher extraordinária de intelectualidade tão contemporânea, muito incompreendida até os dias de hoje. Era alegre e muito agradável, infinitamente apaixonada pela arte, contrapondo a Anita cabisbaixa e triste. Fato contado por todos que a cercaram sem exceção.
Artista de viva criação poética até seus últimos dias. Conviveu no seu tempo com grandes mestres da arte moderna, fez parte deste circulo sendo igualmente admirada por todos eles como Foujita, Picasso entre outros importantes que felizmente foram admirados e reconhecidos nos seus países de origem.
Anita a única artista brasileira nos anos 10 que presenciou a chegada da Arte Moderna na Europa simultaneamente com os europeus onde surgiu em Berlim. Logo depois influenciados por esta corrente européia o mesmo aconteceu com os americanos nos EUA , aonde mais uma vez estaria presente em Nova York.
Presenciou também a consciência artística da decadência desta mesma arte moderna como o abandono de Matisse do fauvismo extremista, o cubismo exemplo maior; que fora abandonado também por quase todos seus criadores e integrantes como Picasso, exceto o grande Juan Gris falecido neste período em 1925. Os anos loucos em meados dos anos 20 em Paris, artistas tiveram a consciência de que suas pinturas modernas perderiam os recursos para a plena criação se não retrocedessem aos métodos clássicos e retrabalhassem de forma moderna, correriam o risco de andarem em círculos repetitivos e estariam presos em suas próprias criações, limitando a inspiração individual foco primordial da arte moderna. Aqui no Brasil, pois muitos se enganam consideram que a Arte Moderna se consolidou em meados dos anos 20 nos quatro continentes o que de fato se consolidou, mas aqui no Brasil com grande atraso de quase 25.
Anita que era artista moderna atual em Paris a partir de 1923 entendeu claramente o que ali acontecia e se inteirou encontrando os recursos para compor sua arte expressionista, o que infelizmente os brasileiros
não estariam preparados para tais evoluções conclusivas.
Daí Anita passou a ser considerada a artista que recuou e mais uma vez foi contra todos os modernistas brasileiros, mas sua arte estava á frente numa criação abundante e infinita.
Somos meros ‘tupiniquins’ sobre os fundamentos da arte moderna, precisamos resgatar e conhecer melhor sobre arte e a modernista Anita Malfatti.

Abraços Stella de Mendonça
e-mail: stella@portalartes.com.br

AS POSTAGENS ANTERIORES ESTÃO NO ARQUIVO AÍ NO LADINHO >>>>>

.

Only select images that you have confirmed that you have the license to use.

Falaram do Varal:

"...o Varal de Ideias é uma referência de como um blog deve ser ." Agnnes

(Caminhos e Atalhos, no mundo dos blogs)

..."parabéns pelo teu exemplo de como realmente se faz um blog...ou melhor tantos e sempre outstandings...".
(Vi Leardi )

Leiam também:

Leiam também:
Click na imagem para conhecer

varal no twitter

Não vá perder sua hora....

Blog não é tudo, tudo é a falta do blog ....
( Peri S.C. adaptando uma frase do Millôr )
" BLOG É A MAIOR DAS VERTIGENS DA SUBJETIVIDADE " - Maria Elisa Guimarães, MEG ( Sub-rosa )