17.1.17

Francisco de Miranda - 2º parte


Un fragmento de “El hijo de la panadera”, el nuevo libro de Inés Quintero

Tenemos el gusto de compartir con los lectores de Prodavinci, por cortesía de la Editorial Alfa, un fragmento del nuevo libro de Inés Quintero, donde la historiadora "asume el desafío de ofrecer una nueva lectura de la vida y vicisitudes de Francisco de Miranda, desde el momento en que abandona Venezuela, con apenas 20 años, hasta el triste desenlace que representó para su vida el fin de la Primera República, su entrega a las autoridades españolas, la prisión y su posterior fallecimiento en La Carraca", en palabras de la propia editorial. El punto de partida de este nuevo libro de Quintero es un incómodo (y escandaloso) incidente promovido por los criollos principales de la capital contra su padre, Sebastián Miranda, "tenido como individuo de inferior condición y -para mayor escarnio- casado con una panadera".
Por Prodavinci | 16 de mayo, 2014
El 25 de enero de 1771, Francisco de Miranda abandona Venezuela y se embarca en la fragata Prince Frederick de bandera sueca con destino a España. Dos meses más tarde, el 28 de marzo, cumplirá 21 años.
No parece una coincidencia que la decisión de Miranda de marcharse a Europa ocurriera poco tiempo después del incómodo y escandaloso incidente promovido por los criollos principales de la capital contra Sebastián Miranda, su padre, en abril de 1769. Una narración de lo acontecido fue hecha por Ángel Grisanti en 1950 en su libro El proceso contra don Sebastián Miranda, padre del precursor de la Independencia continental; también en mi libro El último marqués, publicado por la Fundación Bigott y en mi tesis doctoral El marquesado del Toro 1732-1851. (Nobleza y sociedad en la provincia de Venezuela), se hace extensa alusión a este episodio. Los hechos ocurrieron de la siguiente manera:
El 16 de abril de aquel año, el gobernador y capitán general José Solano y Bote había convocado a una ceremonia a fin de instalar las compañías de milicias de la ciudad, organizar sus respectivos batallones y designar a sus oficiales.
Al día siguiente en casa de Juan Nicolás Ponte, nombrado comandante del batallón de blancos en la ceremonia del día 16, se reunieron la mayoría de los oficiales que habían recibido nombramientos aquel día y acordaron dirigir un memorial al capitán general para expresarle que, si bien no tenían la intención de excusarse de cumplir con el real servicio, no estaban dispuestos a aceptar los empleos otorgados si no se excluía a Sebastián Miranda como oficial del batallón de blancos. La negativa obedecía a que todos ellos pertenecían a las primeras esferas de la ciudad y eran descendientes de sus más ilustres pobladores; en consecuencia, no podían alternar con un individuo de inferior calidad, que notoriamente ejercía el oficio de mercader y que, como tal, estaba casado con una panadera. Desatenderían las circunstancias y méritos de sujetos de su clase y constituiría un agravio evidente a la calidad de sus familias si convenían en admitir a un sujeto de baja condición, y de quien se decía era mulato, para que compartiese junto a ellos la distinción de oficial en el batallón de blancos de la ciudad. La representación estaba firmada por Juan Nicolás de Ponte y Mijares, Francisco Felipe Mijares de Solórzano, marqués de Mijares; Martín Tovar y Blanco, Francisco Palacios y Sojo, José Galindo y Gabriel Bolívar y Arias, todos ellos connotados mantuanos caraqueños.
Ese mismo día, el cabildo de la ciudad, integrado en su mayoría por los blancos criollos, dirige una comunicación al capitán general para exponerle sus reservas respecto a los nombramientos del día anterior, los cuales habían recaído en forasteros y en personas de escasa notoriedad. Solicitaba muy respetuosamente su anulación y que se delegasen en el cabildo las propuestas y nombramientos referidos.
Al día siguiente, todos los agraviados a título individual dirigen misivas al capitán general para exponer sus reparos y manifestarle que no admitirían sus empleos si no se excluía a Sebastián Miranda del citado batallón. Las cartas van firmadas por Sebastián Rodríguez del Toro, marqués del Toro, Antonio Blanco y Herrera, José Antonio Bolívar y los mismos individuos que habían firmado la carta colectiva promovida por Juan Nicolás Ponte y Mijares.
Todos reiteraban el mismo argumento: no estaban dispuestos a alternar en el batallón de blancos con un hombre tan bajo, que tenía tienda abierta de mercader, que estaba casado con una mujer de baja esfera, sin ninguna estimación y que, además, ejercía el oficio de panadera. Lo que les molestaba de manera más visible era que pudiese valer lo mismo ser un plebeyo isleño de Canarias, cajonero y mercader, hijo de un barquero, que ser caballero, noble, cruzado y aun titulado como lo eran, en su mayoría, los agraviados.
El capitán general intentó disuadir a los mantuanos invitándolos a su casa, pero fue inútil. Martín Tovar y Juan Nicolás Ponte, en presencia de los concurrentes, denigraron de la calidad de Miranda. Miranda, por su parte, abrió causa contra Ponte y Tovar por injurias, promovió una certificación de limpieza de sangre que permitiese demostrar que tanto él como su mujer eran blancos y de notoria calidad y renunció al grado de capitán que le había sido otorgado en el batallón de la discordia. Los mantuanos, por su lado, argumentaron que, aunque fuese blanco, era un hombre ordinario porque baja era su condición y bajas sus conexiones.
El capitán general aceptó la solicitud de retiro de Miranda y le concedió la baja ordenando que se le conservasen las gracias, honras y preeminencias correspondientes a su investidura de capitán. El cabildo insistió en la querella y dirigió al monarca un largo memorial denunciando la afrenta irrogada a la nobleza de la ciudad por parte del gobernador. Alegaba el cabildo que lo ocurrido el 16 de abril había sido una ofensa inadmisible contra la parte más virtuosa y decente de la ciudad.
Ponte y Tovar no se quedaron atrás y abrieron causa contra Miranda exigiendo que ofreciese las pruebas de la culpa que les imputaba. Mientras tanto, Francisco de Ponte y Mijares, alcalde de la ciudad y hermano del querellado, acusó a Miranda por el uso del uniforme y el bastón de oficial del batallón de blancos y ordenó que se presentase al cabildo para justificar el uso de ambas distinciones, amenazándolo con castigar su infracción con un mes de cárcel y, en caso de reincidir, le aumentarían la pena a dos meses, le retirarían el uniforme y el bastón para venderlos por piezas y utilizarían el producto de la venta en la manutención de los presos.
Los españoles se sumaron a la querella para apoyar a Miranda. Con ese fin redactaron una larga representación al monarca explicando lo sucedido, denunciaron el abusivo control del cabildo ejercido por los mantuanos, todos ellos emparentados entre sí, en detrimento de los nacidos en la península, a quienes calificaban de forasteros o pasajeros, negándoles el derecho a optar a los cargos de honor y distinción.
El episodio conmovió a la ciudad; todo el mundo comentaba el incidente y, tal como exponían los españoles en su comunicación al rey, hasta las mujeres habían tomado cartas en el asunto.
En julio, el capitán general elaboró un extenso informe y lo envió a España con todos los documentos e incidencias del caso: las cartas de los mantuanos, las réplicas de Sebastián Miranda, la correspondencia del cabildo y sus propias consideraciones sobre el episodio. Transcurrido más de un año, el rey se pronunció sobre el suceso. La respuesta del monarca no solamente desautorizaba de manera contundente todas las actuaciones del cabildo capitalino incluyendo la persecución a Miranda por el uso del uniforme, sino que le ordenaba abstenerse de tomar resoluciones sobre materias para las cuales no estaba facultado, mandándole que borrasen del libro capitular todo lo concerniente al día 17 de abril de 1769; exigía perpetuo silencio sobre la indagación de la calidad y el origen de Sebastián de Miranda, mandando a privar de sus empleos y condenando a severas penas a cualquier militar o individuo que por escrito o de palabra lo motejara o no lo tratase en los mismos términos que acostumbraba anteriormente. Ordenaba igualmente que se alternasen los cargos de alcalde entre criollos y españoles y que los nacidos en la península no fuesen considerados forasteros.
Esta Real Cédula, de fecha 12 de septiembre de 1770, llegó a Caracas en el mes de noviembre, año y medio después de la discordia, y fue leída en el cabildo en la sesión del día 19. Si bien constituía una severa reprimenda y una desautorización clara a los miembros del cuerpo capitular y por extensión a los blancos criollos, el mandato del rey no alteró la composición del cabildo, el cual siguió controlado por las mismas familias, no afectó el predominio político de los mantuanos en el control del gobierno capitalino y tampoco modificó sus sentimientos y pareceres respecto a Sebastián Miranda. Fueron obedientes y diligentes mandando a tachar hasta hacer ininteligible el acta del día 17 de abril, pero el canario Miranda, aunque estuviese autorizado por el rey a usar el uniforme y el bastón de capitán, seguía siendo un sujeto inferior, de baja esfera, sin honor ni calidad, cajonero, mercader y esposo de una panadera.
La forma de proceder de los mantuanos se correspondía con el sentido y normativas jerárquicas de la sociedad de entonces, regida por fórmulas y principios que establecían un orden desigual entre los individuos que componían la sociedad. En la esfera superior estaba la nobleza criolla, descendiente de los conquistadores quienes, por mandato divino, eran los responsables de proteger y conservar el buen orden de la sociedad; y en la esfera inferior estaba el resto de los mortales, los plebeyos, la gente de baja esfera, sin linaje, honor ni privilegios, como Sebastián Miranda y, por ende, toda su descendencia.
Para Francisco de Miranda la situación resultaba inescapable. Era el primogénito de Sebastián Miranda y de Francisca Rodríguez, hijo de canarios el primero y de portugués y canaria la segunda, una pareja de personas trabajadoras que se habían establecido en Caracas y levantado una familia de seis hijos, un origen muy distinto y distante al de los oponentes de su padre. A los doce años ingresó en la cátedra de latinidad en la Universidad de Caracas, paso indispensable para preparar la tesis y presentar los exámenes que le permitirían obtener la licenciatura. Continuó sus estudios de bachiller en artes, pero solamente por dos años; no terminó el tercero, de manera que no se graduó; tampoco siguió la carrera de las armas para convertirse en oficial al servicio de la Corona.
Cumplidos los 20 años, el porvenir de Francisco de Miranda no ofrecía muchas opciones. En una sociedad fuertemente jerarquizada como la caraqueña del siglo XVIII, en la cual el futuro de las personas estaba determinado por la calidad e hidalguía de sus ascendientes, y cuando todavía estaba fresco el incidente que había enfrentado a su papá con los principales mantuanos de la ciudad, el hijo mayor de los Miranda Rodríguez tenía dos posibilidades: o se conformaba con vivir en un entorno en el cual sería considerado y valorado como el hijo de la panadera, un sujeto ordinario y de baja esfera, o se disponía a labrarse un futuro diferente fuera de su lugar natal.
Francisco de Miranda optó por lo segundo. El 22 de diciembre de 1770, un mes después de conocerse en Caracas el contenido de la Real Cédula que condenaba el proceder de los mantuanos y le daba la razón a su padre, Francisco de Miranda solicita licencia para certificar su legítimo nacimiento, limpieza de sangre y buenas costumbres. Era el primer trámite que le permitiría abandonar la ciudad en la cual había nacido el 28 de marzo de 1750.
El 3 de enero de 1771 le dirige una comunicación al gobernador y capitán general Solano, en la cual le manifiesta su interés de servir a su majestad en los reinos de España. Solicita que se realice el trámite de información de testigos a fin de que respondiesen si les constaba que era hijo legítimo de sus padres, si había sido instruido y aplicado por sus padres en las primeras letras y estudios de artes y si había vivido cristianamente, frecuentando los Sacramentos de Nuestra Santa Madre Iglesia, sin haber dado escándalo ni mala nota de su persona. Además, solicitaba que se le diese testimonio certificado de la información de limpieza de sangre de sus padres en la causa seguida con Juan Nicolás Ponte y Martín Tovar y de la Real Cédula de San Ildefonso de 12 de septiembre de 1770, despachada por su majestad a favor de su padre.
El último trámite lo realiza ante el señor provisor y vicario general de Caracas a fin de que se le expidiese una certificación en la cual constase que era soltero, honrado y de arreglados procedimientos y así obtener la licencia que le permitiera embarcarse a España.
Con el expediente completo que demuestra su legítimo origen, limpieza de sangre, cristiandad, honradez, soltería y la buena estimación en la cual se tenía a su padre, sale en busca de su propio destino. En ese mismo instante comienza a escribir el diario de su nueva vida: «1771. Enero día 25 al 26 de 1771. A las doce del día nos hicimos a la vela en compañía del Paquebot, también sueco»

Crônica diária

Rita Lee

As voltas que o mundo dá. A primeira e única vez que vi pessoalmente  Rita Lee foi numa fila de espera para um brinquedo na Disney de Orlando. Ela com filhos, não me recordo quantos, e minha mulher eu, com nossos dois, ou era só com o Guilherme? Faz muito tempo, e minha memória é cada dia mais vaga. Depois disso Rita e Roberto, que era seu marido, só vi pela TV e ouvi pelo rádio. Há uns dois meses conheci em São Paulo, por mero acaso ou vontade da Graziela Debbane um sobrinho do Rubem Braga, Alvaro Abreu. Cronista e fazedor de colheres de bambu. Foi das coisas mais importantes que me aconteceram em 2016. Ficamos amigos em segundos. Não ficamos mais do que meia hora juntos. Mas passamos a nos corresponder. E-mail pra lá, e-mail pra cá. Mora em Vitória, mas nasceu em Cachoeiro do Itapemirim. E num desses e-mails havia me contado que foi junto com o tio Rubem entrevistar Rita Lee. Diz o Alvaro que o tio estava tenso e apreensivo. Voltou da entrevista alegre e feliz. Não sei a data desse fato. O que sei, lendo "Os moços cantam & outras crônicas sobre música" de Rubem Braga é que em 1979, na Tribuna do Norte, ele escreveu: "Em louvor de Rita Lee". Na crônica,  defende a Rita de ataques do Sérgio Cabral, pai do governador que esta preso, com a mulher, em Curitiba, por crimes de corrupção, mas que não tem nada a ver com esta história. Como dizia, Sérgio, o pai, estava, segundo Braga, dando uma de Tinhorão, extremista do samba. Cabral era menos radical, mas ergueu-se contra a Rita, e o Rubem saiu em sua defesa. E disse: "Deixem a Rita caçoar com as coisas, inclusive com a famosa MPB, música popular brasileira. Ela pode fazer isso porque ela é MPB também -- e da melhor. Quanto ao mais, nada melhor do que não fazer nada...". Isso foi em 1979. Imagino o fã da artista, anos depois indo ao encontro da cantora de cabelos vermelhos, olhos azuis, "que canta com graça e  uma sabedoria infinitas, "...nada melhor do que não fazer nada..."

16.1.17

Francisco de Miranda

Francisco_de_Miranda_by_Tovar_y_Tovar

Sebastián Francisco de Miranda y Rodríguez, conocido como Francisco de Miranda (Caracas, 28 de marzo de 1750-San Fernando, Cádiz, 14 de julio de 1816), fue un político, militar, diplomático, escritor, humanista e ideólogo, español y venezolano, considerado «El Precursor de la Emancipación Americana» contra el Imperio ...

Francisco de Miranda - Wikipedia, la enciclopedia libre

https://es.wikipedia.org/wiki/Francisco_de_Miranda


 1896 de  Francisco Arthuro MICHELENA Casrillo 1863-1898
Recomendo a leitura da vida e obra deste precursor da 
independência dos países da América.
Um personagem absolutamente ímpar e uma história fantástica.

A PRIMEIRA INDEPENDÊNCIA DA VENEZUELA

Na época colonial o contrabando favorecia enormemente a elite criolla venezuelana, os chamados mantuanos. O comércio por vias legais era carregado de impostos, que os criollos não estavam dispostos a pagar. Quanto mais produziam mais tributos tinham que pagar.
As atividades econômicas se baseavam na mão de obra que trabalhava por dívida: os chamados peões (peonajem). Estes peões trabalhavam nas fazendas (haciendas) dos criadores de gado (de onde provinha também o couro), chamados llaneros. Nas propriedades onde se produziam cacau e algodão a mão de obra predominante era de trabalhadores escravizados. Os produtores de cacau e os criadores de gado, eram a elite que dominava Caracas, uma cidade próspera comercialmente; seja pelas vias legais e/ou pelo contrabando.
Com maior projeção econômica que a vizinha Nova Granada (atual Colômbia), não é de se estranhar que os movimentos de independência começassem na Venezuela. O comércio via contrabando trazia, além de lucros para a elite, idéias liberais e republicanas dos Estados Unidos.
Em 1806, o general Francisco Miranda (1750-1816), desembarca na Venezuela com seus camaradas, iniciando um período de lutas pela independência local que vai até 1821. Na verdade, Miranda havia organizado este movimento após participar ativamente de outros episódios significativos da época: a independência das Treze Colonias inglesas na América do Norte e da Revolução Francesa de 1789. Miranda pertencia a elite criolla venezuelana. Durante sua estada na Europa, conheceu a corte da czarina Catarina II, da qual teria sido amante. Na Inglaterra, fundou, com alguns “patriotas”, a sociedade secreta “Grande Reunião Americana”, com o objetivo de disseminar as ideias de emancipação e libertação das colônias. Alguns homens ilustres nos movimentos de independência, tais como Bolívar e O'Higgins, participaram da Grande Reunião Americana. Conseguindo apoio de alguns ingleses, interessados no comércio direto com a elite de Caracas, Miranda vai para Nova York onde planeja sua investida a Venezuela.

1896 de  Francisco Arthuro MICHELENA Casrillo 1863-1898
O movimento de 1806, liderado por Miranda, não durou muito. Em pouco tempo foi esmagado pela reação e por parte significativa da elite criolla local. Logo que desembarcou Miranda achou que parte da população local iria apoiá-lo em sua causa da independência, o que não ocorreu. As elites locais ainda tinham uma certa desconfiança não só na figura de Miranda, que parecia demasiado radical para o conservadorismo típico dos criollos, mas também por ele ser patrocinado pela Inglaterra (a escolta marítima de Miranda de Nova York até Coro – na costa da Venezuela – foi feita pelo almirante inglês Lord Thomas Cochrane). Embora houvesse um comércio ilegal entre os grandes comerciantes de Caracas com a Inglaterra, não lhes convinha se emancipar da Coroa espanhola para cair nas mãos da Coroa inglesa. Se fosse assim, seria melhor permanecer como está: sem independência, sem rebeliões contra a metrópole.
Com o fracasso de seu movimento, Miranda foi obrigado a se exilar na Inglaterra. Os criollos venezuelanos puderam dormir em paz novamente.
Mas a tranquilidade durou apenas alguns anos. Os acontecimentos na Espanha fizeram com que os criollos da Venezuela tomassem uma atitude. Em 1808, o irmão de Napoleão, José Bonaparte, foi posto no trono da Espanha. Os espanhóis, para resistir ao rei imposto pelo imperador francês, organizaram uma junta para governar em nome do monarca deposto – porém legítimo. Nas colônias o processo foi semelhante: juntas foram organizadas.
Em Caracas, antes mesmo de se formar uma junta de governo, foi enviado um capitão geral francês para governar no lugar dos espanhóis (a Venezuela era uma capitania então seu governador era um capitão e não um vice-rei). Os governantes franceses pensavam: “já que governamos a Espanha, com o rei José, governamos suas colônias”. Quando este capitão, chamado Desmolard, chegou foi recebido por um banquete pelos criollos abastados. Durante o banquete houve hostilidades entre os criollos e entre o capitão francês. Com o vácuo de poder colonial, os colonos usariam sua força para lutar por mais autonomia e não queriam se submeter ao governante francês. Este teve que sair correndo da Venezuela e voltar para a Europa. Um dos criollos que fazia parte do banquete, era um criollo recém chegado da Europa. Seu nome: Simon Bolívar (1783-1830). Diferente dos demais criollos, Bolívar estava disposto a lutar não só por mais autonomia, mas também pela independência.
Bolívar, assim como muitos outros líderes das independências, era oriundo da aristocracia caraquenha produtora de cacau. A fortuna da família Bolívar permitiu ao jovem Simon ter uma educação de alta qualidade. Seu primeiro professor foi o iluminista americano Simon Rodriguez (1771-1854). Rodriguez tinha ideias extremamente originais sobre educação e política. É de Rodriguez a célebre frase: “La América española es original; Originales han de ser sus instituciones y su gobierno, y originales los medios de fundar uno y otro. O inventamos, o erramos”. Foi Rodriguez que apresentou a Bolívar o pensamento radical de Rousseau.
Simon Rodriguez acabou sendo preso por suas atividades contra a Espanha. Bolívar, sem seu professor e grande inspirador dos ideais de liberdade para a América, conclui seus estudos na Europa. Lá se casa com a filha de um outro aristocrata venezuelano, Maria Teresa. O casal retorna a Venezuela, mas Maria Teresa morre em pouco tempo
De volta a terra de seus antepassados Bolívar acompanha a ascensão de Napoleão e a efervescência política européia; consequência da Revolução Francesa de 1789. Em 1805, em Roma, Bolívar faz o seu famoso juramento no monte Aventino: “juro perante o Deus de meus pais, pelos meus próprios pais, pela minha honra e pela minha pátria, que não descansarei enquanto não houver despedaçado as cadeias que me prendem pela vontade e pelo poder da Espanha!”. Antes de voltar em definitivo para a América, ainda trava conhecimento com o alemão Alexandre Humboldt e com seu conterrâneo Miranda.
Bolívar chega a América em 1807. Ele fica sabendo do movimento de Miranda e entende que ainda é preciso de tempo para amadurecer a ideia de independência e chegar o momento oportuno.
Em 1810, o capitão-geral Desmolard, mandado pelos franceses, acabou se demitindo, obviamente por sentir-se inseguro diante da pressão de alguns criollos locais. Com a demissão do capitão, formou-se em Caracas uma junta de governo, semelhante as outras que se surgiram no mesmo período. Os criollos que compunham a junta não queriam a independência. Era um momento delicado, afinal, como lutar por mais autonomia sem ser visto com desconfiança pelos espanhóis?
Assim, a junta de Caracas achou que seria necessário conseguir algum tipo de auxílio exterior. Neste sentido, Bolívar ofereceu-se para ir até a Inglaterra e angariar apoio do país, que tinha, como já sabemos, interesses comerciais na América Latina. Bolívar foi para a Inglaterra junto com o professor Andrés Bello (1781-1865), mas recebeu ordens bem específicas da junta: não deveria entrar em contato com Miranda; pois o radicalismo deste deixava a junta moderada com muita desconfiança.
Bolívar foi teimoso: quando chega a Londres a primeira coisa que faz é ir em busca do exilado Miranda. Para Bolívar, chegara o momento que ele tanto esperava, a Venezuela já estava madura para sua independência. E ninguém melhor do que Miranda para liderar a emancipação. Bolívar convence Miranda a retornar.
Enquanto isso na Venezuela, as tensões tornam-se mais evidentes. A regência espanhola de Cádiz, temendo que a junta de Caracas liberasse os seus portos a estrangeiros decreta o bloqueio de todos os portos venezuelanos. Esta medida foi recebida com grande horror pelos criollos que dependiam do comércio de seus produtos. Assim, quando Bolívar retorna encontra um ambiente hostil à Espanha, o que lhe dá a segurança para pedir a junta a total independência. Claro que nem todos os criollos eram a favor da separação, mas com a chegada de Miranda a junta se desfaz. Um congresso é formado e a independência da Venezuela foi proclamada em 5 de julho de 1811.

Na França
REFERENCIAS:

BETHELL, Leslie (Org.). História da América Latina: da independência a 1870. São Paulo:

DOZER, Donald M. América Latina: uma perspectiva histórica. Porto Alegre: Globo, 1974.

GALEANO, Eduardo. As Veias Abertas da América Latina. Porto Alegre: L&PM, 2013.

HALPERIN DONGHI, Tulio. História da América Latina. São Paulo: Circulo do Livro.

POMER, Leon. As independências na América Latina. São Paulo: Brasiliense, 2007.


Sobre o Autor:
Fábio Melo
Fábio Melo. Membro Permanente e fundador do Grupo de Estudos Americanista Cipriano Barata. Pesquisa sobre História Social da América e Educação na América (América Latina e Estados Unidos). Produtor e radialista do programa "História em Pauta" na rádio La Integracion. Tem diversos textos escritos sobre educação, cultura e política. 

Melhor biografia: EL HIJO DE LA PANADERA de Inés Quintero

Crônica diária



 Caminhos estreitos

Volto mais uma vez ao Leonardo Padura, escritor cubano de sucesso internacional para transcrever duas ou três passagens do seu livro "Ventos de Quaresma". Abrir um capitulo com essa frase: " A boceta da sua mãe" poderá chocar os menos avisados. Mas na boca do narrador referindo-se ao pensamento de personagens, na Havana dos anos 80, quando questionados por um adulto: "O que desejam?" é a coisa mais real e banal que se possa imaginar. Chamar os Beatles de veadinhos na Cuba machista e revolucionária marxista, a coisa mais natural. Apesar de admira-los. Diálogos entre o tenente Mario Conde e seu companheiro de investigações, Manolo, tipo: "Você se gaba de ter tido tantas mulheres, um dia teve uma que tocava saxofone?" Manolo respondeu com uma pergunta: "Com a boca?" "Vá tomar no cu, pô -- soltou Conde, que também sorriu." Para concluir, do mesmo livro a mais sutil e bela descrição de dois desenhos de "Servando Cabrera onde se via a luta de dois torsos e ancas: num deles a penetração vitoriosa ocorria frente a frente e de forma honesta, enquanto no outro era obtida "per angostam viam". Viva Padura.



PS- Ilustração: Desenho de Servando Cabrera, famoso artista cubano.

15.1.17

Novo livro de Aloísio de Almeida Prado


Não vi o livro pronto, mas escrevi o Prefácio, cujo convite parta fazê-lo me honrou muito. Aloisio depois do fantástico relato das façanhas de Fernão de Magalhães, com prefácio de Jorge Pinheiro, nos presenteia com A vida e amores de Cristovão Colombo. Interessados podem contatar Maria Vitória Lago no Facebook.

Crônica diária


"A besteira do brioche do Temer"

No mesmo jornal Folha de São Paulo, no mesmo dia 29/12/2016, outro articulista, Vinícius Torres Freire defende que a "Lista de compras do avião da Presidência da República causa surto de populismo jeca e debate ignorante". Critica com razão e humor as fofocas que o leilão (cancelado) das compras da comida do avião presidencial causou. Concorda que houve exageros nos preços máximos a serem praticados na licitação, e concorda com a falta de oportunidade para as bobagens da lista de "gororobas do avião". Por outro lado pergunta se devemos tratar o Presidente da República a pão e água? Defende cortes e ajustes mais profundos e consistentes, como o dos salários exorbitantes de juízes e procuradores. Reformas necessárias e urgentes ao invés de fofocas em rede social. Da minha parte não posso estar mais de acordo, lamentando que o Temer e seu governo transitório, que deveria estar dando exemplos de moralidade e contenção de gastos neste momento que grande parte da população não tem emprego, e muita gente esta sem receber dois ou três meses de salário. Temer esta perdendo a oportunidade de passar para a história como estadista, corajoso, austero, desprendido. Não pode ficar dando chances para falarem de suas preferências por determinada marca de sorvete, bombons Sonho de Valsa, e latas de Nescau. "Quanta besteira" escreveu Vinícius.

Comentários que valem um post



João Menéres deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Por falar em pés":

Nunca comecei por um pé.
E muito menos com óculos escuros.

Postado por João Menéres no blog . em sábado, 14 de janeiro de 2017 07:35:00 BRST 

**************************************************************** 


Marina Leite Do Canto compartilhou a sua publicação.

Não fui, sou ou serei eleitora do Temer. PMDB é majoritariamente um partido de criminosos, daí sua aliança com o PT.
Mas graças a Deus, não sou fundamentalista. ainda tenho cérebro funcionando.
Porque eu, paulista, pagadora de fato de todos os impostos, tenho que financiar estados comandados por eleitos bandidos?
Continua brincando com o voto, e sofra as consequências.

*************************************************

14.1.17

Por falar em pés

Sophia Loren e Carlo Ponte, em foto de autor desconhecido, enviada por José Luiz Fdernandes

Crônica diária

Dois colunistas da Folha

Hoje trato do senhor Jânio de Freitas, jornalista e membro do conselho da Folha de São Paulo, e para a crônica não ficar muito longa e indigesta, como é o assunto, dividi em duas. Amanha Amanhã escrevo sobre outro articulista Vinícius Torres Freire ("A besteira do brioche do Temer"). Jânio de Freitas publicou em 29/12/2016 um artigo intitulado "Sonho autoritário". Nele afirma textualmente: "Já não bastam a incompetência e o final de ano resultados econômicos e sociais opostos ao prometido Michel Temer e seu desgoverno agora querem ser também autoritários".  Quanta bobagem. O jornalista com a idade (84 anos) e fama que tem não poderia estar defendendo tão equivocadas ideias em tão importante jornal do país. O que ele esperava de pouco mais de seis meses de um governo interino e de transição? Ou estamos ainda tentando tirar parte da água que 13 anos de governo petista quase faz o barco naufragar? Acusar Temer, nesta altura, ou é cinismo ou má fé. Mas o jornalista não comprometido com a realidade e verdade dos fatos vai além. Chama de autoritário o governo central, credor dos estados à beira da falência, por exigir contrapartidas para renegociar suas dívidas. Qualquer credor para renegociar dívidas procede assim. Exige novas garantias. É a norma. E no caso presente as exigências são as de moralidade fiscal, restrições com despesas, principalmente sobre aumento de salário de funcionários públicos. Sem esse ajustes não há a menor possibilidade de reverter a gravíssima situação de alguns estados. Onde esta o autoritarismo? Se as assembleias estaduais cumprissem seus papéis com decoro, e moralidade, a união, ou governo central não estaria cobrando providências de austeridade. As contrapartidas, absolutamente necessárias, não são, nem de longe, o que o jornalista chama de "intervenção branca" do governo federal na administração estadual. No resto o senhor Jânio de Freitas sofisma quando tenta isentar os estados de responsabilidade por constituírem uma República Federativa. Exatamente por isso, cada estado da federação tem obrigações a cumprir, e não viver criando problemas para o todo. É lastimável  a opinião tendenciosa  do jornalista.

Comentários que valem um post

Anônimo 
José Luiz Fernandes disse...
Beleza e originalidade. Aplaudo de pé, com destaque para os porta-cartões e canetas.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017 03:37:00 BRST
*************************************


Beatriz Braga Abreu Lima
Beatriz Braga Abreu Lima Pois então, vou me apresentar: sou a irmã mais velha, (só 1 ano), do Alvaro. E estou contente de estar lendo seus textos, ainda mais este, que cita meus Braga! E mais ainda, por ser hoje, 12/01, a data de aniversário do Rubem!
******************************************* 

 Ducha Dorei Pessoas de valores fundamentais,se mobilizem como puderem ,com discernimento para expor suas opiniões, como Eduardo Penteado Lunardelli e minha filha Maria Christina Mendes Caldeira !É uma luta conjunta e não podemos perder nossos direitos de livre arbítrio e liberdade de expressão,tão defendidos por Roberto Civita,a revista Veja e todos melhores meios de comunicação de nosso sofrido país.Vamos dar as mãos e lutar pelo respeito a que temos sido injustiçados por estes animais sem coração,que desviaram dinheiro da saúde e educação do povo brasileiro.Parabéns a vcs pelo magnífico trabalho,colocando com muito sacrifício a vida em risco pelo futuro de nossos filhos e netos,vamos dar as mãos estamos juntos nesta dificil tarefa do pão de cada dia

**************************************************** 

Nelson de Souza Diariamente leio essas colocações postadas por amigos meus que notoriamente mostram essas lavagens cerebrais e se negam a acreditar em fatos tão comprovados, tão enfatizados e continuam subestimando a inteligência dos que não comungam das suas mesmas idéias. ... Mentes adoecidas que ainda cobram a curto prazo a cura do mal praticado por mais de uma década. ...
*************************************************** 
Excluir

13.1.17

Brincando com pentes

 Alguns pentes pretos, presos por um cordão de borracha servem de porta cartão, fotografia, lápis e caneta. A autora é Paula Canto.
 Escorredor de pratos, com pentes vermelhos.
 Porta sabonete e objetos de banho. Pentes cinza e azul.
 Porta lápis e canetas, CDs, cartões notas, e catálogos.
 Porta CDs e cartões, com pentes vermelhos.
Porta sabonete, pente, pasta de dente, cremes, e objetos de banho.

Crônica diária

Criminosos ideológicos

Tal como os radicais islamitas, assassinos suicidas, acreditam que todos os meios são válidos para atingirem seus objetivos, os críticos do impeachment também. É um absurdo que depois de exaustivamente divulgadas as mazelas econômicas praticadas pelos últimos governos petista, que colocaram o país na situação dramática que nos encontramos, tenha ainda a petulância de defender a quadrilha que governou por mais de treze anos o Brasil. Não me refiro aos advogados que por dever de ofício, são obrigados a defender bandidos encarcerados. Políticos presos por crimes variados. Toda a cúpula diretiva desse partido que desgraçou a nação. Governadores, marido e mulher que assaltaram os cofres públicos. Não. Refiro-me a artistas, designs, escritores que não podem negar conhecimento dos fatos. Que não podem acreditar nas mentiras propaladas pelos marginais, agora réus, em vários processos. Em variadas varas da justiça, para que não digam, como cinicamente  dizem, estarem sendo injustiçados e perseguidos pelo Moro. Desgraçadamente os últimos governos dividiram o país. Criaram o slogan: "Eles contra nós". "Coxinha contra mortadela". Separaram amigos. Dividiram famílias. Semearam ódio. Plantaram a cizânia.. O viés ideológico exacerbado cega seus militantes. Nem os astronômicos números de desvios, caixa dois, comissões, propinas, e superfaturamento cometido pelo bando que assaltou a Petrobras, e todas as outras grandes empresas públicas, chegando ao descalabro de furtarem merenda escolar e dinheiro da saúde. Os que cometeram o equivoco de eleger quadrilhas, e acreditar em marqueteiros assalariados a peso de muito ouro, que se penitenciem. Mas não podem continuar fingindo ou acreditando que é tudo conspiração anticomunista. Que as causas são as crises internacionais. Que o culpado é o Trump. Refiro-me aqui ao mais conhecido capista brasileiro H. de A. que para sorte minha não respondeu aos  pedidos de contato para, em 2012,  produzir a capa de um livro. E à H.T. mulher de um escritor nascido em Cataguases, que apesar de eu ter resenhado seus livros, e opinado favoravelmente, também me evita. E a todos os seus assemelhados. Gente que ainda fala em golpe, que prega "Fora Temer", não merece a minha menor consideração. Ou comem na mesma panela dos encarcerados de Curitiba, ou são apátridas. Inimigos do Brasil.

Comentários que valem um post



Alvaro Abreu
Meu prezado Eduardo,

Acabo de ler sua crônica de hoje e, pelo jeito, vou ter que arranjar um título de Cidadão Cachoeirense para você, por puro merecimento.

Grande abraço.
*************************************************

)
José Luiz Fernandes disse...
Talvez não com o mesmo entusiasmo que temos pelo Rubem, mas você conhecia também a Nara Leão (sobre quem postei no Facebook), a Danuza Leão, o Augusto Ruschi...
quinta-feira, 12 de janeiro de 2017 05:02:00 BRST
Excluir
Anônimo José Luiz Fernandes disse...
Os três citados não eram de Cachoeiro, mas eram de pertim.
quinta-feira, 12 de janeiro de 2017 05:06:00 BRST
Excluir
Anônimo José Luiz disse...
De Cachoeiro, você conheceu também o Jece Valadão, a Darlene Glória e até o Carlos Imperial. Sem falar que o nome do naturalista Ruschi me fez lembrar da Luz del Fuego, que também nasceu em Cachoeiro.
quinta-feira, 12 de janeiro de 2017 05:14:00 BRST
******************************************************
Excluir



AS POSTAGENS ANTERIORES ESTÃO NO ARQUIVO AÍ NO LADINHO >>>>>

.

Only select images that you have confirmed that you have the license to use.

Falaram do Varal:

"...o Varal de Ideias é uma referência de como um blog deve ser ." Agnnes

(Caminhos e Atalhos, no mundo dos blogs)

..."parabéns pelo teu exemplo de como realmente se faz um blog...ou melhor tantos e sempre outstandings...".
(Vi Leardi )

Leiam também:

Leiam também:
Click na imagem para conhecer

varal no twitter

Não vá perder sua hora....

Blog não é tudo, tudo é a falta do blog ....
( Peri S.C. adaptando uma frase do Millôr )
" BLOG É A MAIOR DAS VERTIGENS DA SUBJETIVIDADE " - Maria Elisa Guimarães, MEG ( Sub-rosa )